Aberta ocupação artística Abril Indígena no Palácio da Liberdade

Iniciativa visa à salvaguarda das culturas dos povos tradicionais e originários, além de apresentar exposições para o público

Léo Bicalho / Secult

Exposições

Durante oito dias, visitantes do Palácio da Liberdade poderão entrar em contato com obras do acervo museológico da Superintendência de Bibliotecas, Museus, Arquivo Público e Equipamentos Culturais (SBMAE) que mostram um pouco da diversidade das histórias e das culturas dos povos indígenas de Minas Gerais.

A ocupação “Abril Indígena – Demarcando Mentes e Pensamentos” tem curadoria da assessoria da deputada federal Célia Xakriabá, primeira indígena eleita no estado.

Representando a deputada, Daru Tikuna, que também é artista e titular da Cadeira de Culturas Indígenas do Conselho Estadual de Política Cultural, falou da importância da cultura indígena para repensar as formas de habitarmos a Terra.

“A variedade e riqueza da cultura indígena, etnicamente, expressa a elevada capacidade de resistência e afirmação da nossa identidade. Estamos aqui hoje em uma perspectiva de planejar, de organizar, de crescermos juntos, de repensar um novo país, um novo mundo”, declarou Daru Tikuna.

Além de expor as obras do acervo da SBMAE, a ocupação propõe uma série de atividades que celebram as histórias e a produção cultural e artística de matriz indígena em Minas Gerais. No Palácio da Liberdade, são apresentadas as fotografias “Gavião Bateu Asa e Rodopiou a Onça Pintada Cantou e Dançou”, “Canto e Dança do Pajé” e “Mulheres Indígenas Reflorestando Mentes para a Cura da Terra”, de Edgar Kanaykõ, o cinema de Sueli Maxakali, e pinturas de artistas indígenas de diversas etnias do estado.

Simultaneamente, nos jardins do Palácio, é destaque a exposição “Abya Yala”, com 15 estandes para venda de arte indígena, como bonecas, crochês, cestarias, peças em madeira, tecidos e vestimentas, biocolares e acessórios. Artigos dos povos Kambiwá, Pataxó e de povos originários da Bolívia e do Peru também são encontrados neste local.

Além de ser um espaço coletivo para apresentação dos trabalhos e de geração de renda para as famílias, a “Abya Yala” serve para integrar diferentes culturas. Essa mostra acontece até 6/5 (sábado).

Sabor e troca de saberes

Outro trabalho dentro da Ocupação Artística Abril Indígena foi um banquete convidando o público à troca de saberes e de conhecimentos sobre a ancestralidade dos povos originários. Com ingredientes sazonais, a mesa foi composta por alimentos coletados em quintais urbanos e de produção agroecológica, com processamento mínimo e respeito à natureza.

Uma pequena fornalha, construída para o evento, serviu de suporte para o cozimento lento das refeições, possibilitando aos presentes vivenciarem os processos de preparo, compartilhamento e aprendizagem da relação cosmológica com os alimentos. O banquete será partilhado entre os visitantes.

Serviço

Ocupação Artística Abril Indígena – Demarcando Mentes e Pensamentos

Data: até 7/5/2023 (domingo)

Horário de visitação: de quarta a sexta-feira, das 12h às 18h; sábado e domingo, das 10h às 18h.

Local: Palácio da Liberdade (Praça da Liberdade, s/nº, Funcionários, Belo Horizonte / MG)

Entrada gratuita

Fonte: Agência Minas

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *